JOHANN. fOTO aNA cLARA mIRANDA

A primeira orquestra (de câmara) brasileira lançada na Internet vem conquistando um novo público de música clássica com concertos leves e interativos e vídeos on-line, que colaboram com a divulgação e popularização não só da orquestra, mas também desse estilo musical. A Johann Sebastian Rio busca a excelência musical e, ao mesmo tempo, leveza e despojamento. Para isto, agrega novos formatos de atuação e reúne talentos com espaço para todos os músicos serem solistas e toda a equipe atuar como protagonista.

A direção artística é assinada pelo violinista e regente Felipe Prazeres. A Johann é formada por 16 músicos oriundos das principais orquestras sinfônicas da cidade do Rio e por uma experiente equipe de produção, de audiovisual e de comunicação. O objetivo é renovar e ampliar o público da música de concerto, diversificando as formas de apresentação dos repertórios.

Johann Sebastian Rio estreou, em novembro de 2014, com um videoclipe lançado nas redes sociais – Youtube e Facebook. Hoje, contabiliza 20 produções audiovisuais que, juntas, somam mais de 300 mil visualizações nas redes. Quando realiza apresentações, lança também vídeos das gravações ao vivo. Uma das produções audiovisuais, “Um casamento voador”, foi selecionado para o festival de cinema da Coupe Icare 2015, na França; e o vídeo “A Violinista”, protagonizado pela atriz Carol Castro, que expõe a história da mulher na música, foi exibido no Festival Mujeres en Escena, de Málaga, na Espanha.

A estreia nos palcos ocorreu em maio de 2015, na “Série Trajetórias”, do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em diálogo com outras artes, o palco foi aberto ao balé e à encenação, em que a personagem representou o público e escreveu, em cena, uma carta para Bach. O espetáculo foi do barroco ao choro, passando por Piazzolla, até encerrar com o arranjo de uma música da banda Guns N’ Roses para cordas, cravo e eletrônico.

Em 2016, a orquestra arriscou novos formatos e produziu o musical infantil “O Maestro Provisório”, escrito e dirigido por Deborah Bapt. No mesmo ano, também apresentou “As Quatro Estações de Vivaldi”, na Sala Cecília Meireles, com atuação do solista e premiado violinista italiano Domenico Nordio. Desta vez, teve destaque a poesia. Cada estação foi costurada pela performance poética de Vanessa Rocha, que compôs quatro poemas – um para cada estação – inspirados nos sonetos escritos pelo próprio Vivaldi.

Entre outras apresentações e concertos, em teatros, salas e até no aeroporto Galeão (Rio de Janeiro), a orquestra também realizou Sarau, com solos, diversas formações e histórias de bastidores contadas pelos músicos. E, em junho de 2017, foi uma das principais atrações do Festival Internacional de Música do Pará. Apresentou “As quatro estações”, de Vivaldi, com o premiado violinista alemão Linus Roth como solista. E, entre as apresentações mais recentes de 2018, se permitiu realizar um programa especial com músicas de Amy Winehouse, no show “Johann Toca Amy”, no Teatro Riachuelo (Rio de Janeiro).

É curioso o jogo de palavras relacionado ao nome do grupo, que faz uma homenagem tanto ao grande mestre da música Johann Sebastian Bach (a tradução de Bach é Ribeiro) quanto a São Sebastião e ao Rio de Janeiro, cidade que inspira a orquestra em seu formato arrojado e inovador. A Johann Sebastian Rio se destaca pela nova proposta de orquestra, com irreverência, experimentação de formatos e diálogo com outras artes, especialmente o audiovisual. E ainda mantém interação frequente nas redes sociais. A orquestra vai continuar apostando nessa linha, realizando vídeos roteirizados, mantendo em vista o repertório pop com arranjos exclusivos, mas sem abandonar a música barroca, que é seu carro-chefe.

*Os vídeos da orquestra podem ser vistos no Youtube.

*Foto: Ana Clara Miranda

Por Clécia Oliveira – Jornalista e Produtora